Conecte-se Conosco

Policial

Domingo de terror no Complexo da Mangueirinha, em Duque de Caxias.

Publicado

em

Este domingo, 10 de abril, foi marcado por um triste fato ocorrido na região do Corte 8 em Duque de Caxias, pois segundo informações, traficantes da região do Complexo da Mangueirinha teriam recebido informações de que policiais estavam em uma festa ali mesmo na região. Os traficantes foram até o local indicado, invadiram o evento, revistaram a todos e acabaram identificando alguns suspeitos de serem os tais policiais. Um deles estava armado e possuía o registro de “CAC” (Colecionador, Atirador, Caçador), o que provavelmente, teria sido o bastante para que os bandidos concluíssem que eram mesmo policiais.

O bando resolveu então “sequestrar” os tais supostos policiais. Com isso, segundo divulgado, três pessoas foram levadas para o alto do morro e ambas foram torturadas. O homem que estava armado foi queimado no conhecido “micro-ondas”. Ele era irmão de um policial Rodoviário Federal.

A Polícia Militar foi acionada. Um grande efetivo do 15º Batalhão de Duque de Caxias foi deslocado para a região do Corte Oito, o que desencadeou uma grande operação naquela região na tentativa de resgate das vítimas, e contou com apoio aéreo, com a Core (Coordenadoria de recursos Especiais) e a PRF (Polícia Rodoviária Federal).

Na ação, houve grande confronto com traficantes, e pelas redes sociais, moradores postaram vários vídeos em que, pela quantidade de tiros vistos nestes vídeos, podemos ter uma boa noção do enfrentamento das polícias aos traficantes. Um destes vídeos mostra fumaça saindo do alto do morro. Acredita-se que seja o momento em que o rapaz estaria sendo covardemente executado.

Após controle da região, gentes da Delegacia de Homicídios da Baixada (DHBF) fizeram perícias no local. O corpo do rapaz, irmão do PRF, foi encontrado carbonizado. As outras vítimas foram liberadas. A PRF informa que uma pessoa teria sido baleada durante o confronto, foi socorrida e levada para o Hospital Adão Pereira Nunes.

220

Policial

Um frentista morre e outro fica ferido durante troca de tiros entre guarnição e bandidos.

Publicado

em

Dois frentistas foram atingidos por tiros durante confronto entre uma guarnição do 34ºBPM (Magé) e elementos armados. Um dos frentistas morreu no local. Já o outro foi baleado na perna. O fato ocorreu na madrugada desta quarta-feira (20) em um posto de combustíveis que fica na Presidente Kennedy, próximo ao Gramacho.

Após o confronto, o Corpo de Bombeiros foi acionado. Durante o atendimento da ocorrência constataram a morte de um deles, que foi identificado como sendo André Moura Couto, de 47 anos. O outro frentista, identificado como Marcelo Soares, de 55 anos, foi atingido por um tiro na coxa esquerda. Ele foi levado para o Hospital Municipalizado Adão Pereira Nunes. Após exames e medicado ele foi liberado.

Segundo informações da corporação, os policiais foram atacados por um grupo armado em um posto de combustíveis na região do Gramacho. Ela informa ainda que os policiais atacados fazem parte da ocupação do Complexo da Mangueirinha.

O corpo do frentista foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML). A Delegacia de Homicídios da baixada Fluminense (DHBF) investiga o caso.

Ocupação da Complexo – A Polícia Militar está empenhada na ocupação do Complexo da Mangueirinha desde o final de agosto passado, e no início das operações, um outro frentista também foi atingido por tiros durante confronto entre policiais e bandidos armados ocorrido em um posto de combustíveis também na Presidente Kennedy, no Centro de Duque de Caxias. Na ocasião, o frentista que foi morto estava em seu período de descanso e dormia dentro do seu veículo quando foi atingido.

 

Sepultamento

A família de André Moura Couto, o homem que trabalhava em um do posto de combustíveis que acabou sendo morto durante um confronto entre policiais e elementos armados nesta quarta-feira (20) no Gramacho, esteve nesta manhã de quinta-feira (21) no Instituto Médico Legal (IML) para o reconhecimento e liberação do seu corpo.

Ela informa que o sepultamento acontecerá às 16h desta quinta-feira (21) no Cemitério Nossa Senhora das Graças, que fica na Vila Operária, em Duque de Caxias.

 

220

Continue lendo

Policial

“Operação Torniquete”: dois presos e um morto em operação da Civil em Duque de Caxias

Na ação foram apreendidos uma arma, drogas e radiotransmissores.

Publicado

em

Um dos presos sendo conduzido pelo agente. Foto: DRFC.

Dois elementos foram presos por agentes da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) e um terceiro acabou sendo morto durante uma ação da “Operação Torniquete” na manhã desta segunda-feira (18) em Duque de Caxias.

Segundo a especializada, os elementos presos foram identificados como sendo Bruno Serafim e Jorge Henrique. Ambos são apontados pela polícia como sendo integrantes de uma facção criminosa atuante no roubo de cargas e de veículos em nossa cidade.

Bruno foi preso na Comunidade do Jardim Gramacho no momento em que transmitia informações por um rádio transmissor sobre a movimentação dos agentes aos comparsas. Jorge foi preso na Comunidade da Divinéia durante troca de tiros com os policiais, onde o terceiro elemento acabou sendo baleado. Até o momento desta postagem, o baleado não teve sua identificação, mas há informações de que ele teria sido socorrido e levado para o Hospital Municipalizado Adão Pereira Nunes, em Duque de Caxias, onde foi à óbito.

Drogas, uma pistola e um rádio transmissor que estavam em poder do baleado foram apreendidos. Bruno e Jorge seguem presos e responderão por associação para o tráfego. A Operação Torniquete tem como objetivo de combater o furto e o roubo de cargas e de veículos no estado do Rio.

 

220

Continue lendo

Policial

Dois homens foram presos após arquitetarem roubo de celular. Um deles é ex-companheiro da vítima

O crime foi enquadrado na Lei Maria da Penha.

Publicado

em

Flagrados pelas câmeras de segurança, os dois planejam o roubo. Foto: Divulgação/redes sociais.

Dois homens acabaram sendo presos por policiais do 15ºBPM (Duque de Caxias). Eles foram flagrados pelas câmeras de segurança da Concer enquanto planejavam roubar o telefone celular de uma mulher. Após a execução do plano e uma tentativa tranquila de fuga, a dupla foi abordada pela guarnição.

A ação malsucedida dos dois homens aconteceu nesta quarta-feira (6), na passarela em frente à Reduc. Já a prisão ocorreu minutos depois ainda próximo ao local do roubo.

Segundo informações, com a prisão dos dois comparsas e a devolução do celular para a vítima, foi constatado que um dos homens, que foi identificado como sendo Igor de Souza Silva, seria ex-companheiro da vítima, que por conta do término do relacionamento e movido por ciúmes, decidiu arquitetar o tal plano para ter acesso ao seu celular. E para colocar o plano em prática, Igor contou com a ajuda do segundo elemento, identificado como sendo Pedro Lucas.

O crime acabou sendo enquadrado na Lei Maria da Penha, por trata-se de envolvimento amoroso entre a vítima e um dos criminosos. Ambos seguem presos.

Momento em que um dos comparsas aborda a vítima. Foto: Divulgação

Os fatos

Em uma passarela sobre a Rodovia Washington Luís, em frente a Refinaria da Reduc, dois homens planejavam roubar o celular de uma mulher. Porém, estavam sendo monitorados pelas câmeras de segurança da Concer, que é a empresa que administra a rodovia. Um dos homens avista a vítima e se afasta. O segundo se aproxima da dela, a ameaça com uma faca e rouba seu celular. Até aqui, aparentemente trata-se de um roubo de celular “comum”, como tantos outros que infelizmente acontecem de forma corriqueira em nossa cidade. Isso se não fosse por alguns, digamos, curiosos detalhes!

É que um destes dois homens, que foi identificado pela polícia como sendo Igor da Cunha Silva, seria ex-companheiro da vítima. O outro, que foi o que pegou o celular da vítima, foi da mesma forma identificado como sendo Pedro Lucas. Ele teria sido aliciado por Igor. Já a vítima, que é a ex-companheira de Igor, não teve sua identidade divulgada.

Após o roubo do celular, a prisão dos comparsas, as devidas identificações de todos os envolvidos, e o comparecimento da vítima na delegacia para reaver o seu aparelho, é que foram esclarecidos os fatos, e estes fatos deram conta de que Igor, ex-companheiro da vítima, que por motivos de ciúmes, queria ter acesso ao seu celular, pois romperam o relacionamento há cerca de 2 meses, e havia a desconfiança de que ela estaria tendo outro relacionamento.

Vale ressaltar que a ação de Igor acabou sendo enquadrada na Lei Maria da Penha, por se tratar de ter existido um relacionamento entre os dois.

 

220

Continue lendo
Propaganda

Destaque